Publicado em: Tecnologia

Sou a mais nova assinante do HEY

Hey subscribed

Faltando 6 dias pro fim do meu período de testes , fiz hoje a assinatura do HEY.

Motivos: o HEY facilita muito o meu fluxo de trabalho e torna o meu uso do email prazeroso de novo. Além disso, decidi apoiar a empresa por ter tido a sensibilidade de criar um serviço tão útil e preocupado em contribuir com a privacidade e o combate ao spam. Um último motivo mas não menos importante: o nome de usuário associado à minha conta será pra sempre meu, ainda que futuramente eu decida não pagar mais pelo serviço.

Publicado em: Privacidade, Tecnologia

HEY – o serviço que reinventou o email

Hey luana

De muitos serviços e produtos que evoluíram bem nos últimos 10 anos, na minha opinião o email foi infelizmente um dos mais importantes deixado de lado.

Muito do mesmo foi feito em relação ao modo como lidamos com o email. Em termos de privacidade melhoramos bastante mas em relação a usabilidade e filtros anti-spam muito pouco foi feito.

Foi então que a Basecamp, reconhecida ferramenta focada em soluções online de comunicação para times e empresas, lançou recentemente o HEY, um serviço criado pra corrigir os problemas que durante anos foram negligenciados por diversos aplicativos e serviços de email.

Estou há quatro dias testando o HEY (são 14 dias grátis no total) e até o momento só vi vantagens. Poder concentrar em uma única ferramenta os vários emails que gerencio, usufruindo de todos os novos recursos facilitadores é realmente uma mão na roda.

Abaixo o vídeo oficial de apresentação de todos os recursos do HEY:

O ponto negativo fica por conta do preço da assinatura: US$ 99 / ano – salgado demais em tempos de crise e dólar nas alturas.

Realmente não sei se pra mim valerá a pena pagar toda essa quantia pra me manter confortável ao lidar com emails. Por mais bacana que seja usar o HEY por seus recursos, visual clean e funcional, aproveitarei os meus dias restantes do teste gratuito pra chegar a uma conclusão.

Por enquanto, deixo apenas o meu agradecimento aos desenvolvedores corajosos que tornaram o uso do email satisfatório de novo.

Publicado em: Generalidades, Tecnologia

De volta ao WordPress

Hoje finalizei a migração do meu blog para a plataforma WordPress em um novo servidor.

Por um tempo usei um SSG (Static Site Generator) e eu realmente achava muito interessante ter um blog 100% estático rodando no Github + Netlify. Mas como nem tudo são flores… o preço de um site estupidamente rápido e que funcionava inclusive offline (caso você tivesse o cache habilitado no seu navegador) era que a sequência de passos necessários pra fazer uma postagem acabou me desanimando com o tempo.

Era mais ou menos assim: eu escrevia em markdown, gerava o arquivo no Git no meu Mac, usava o Github Desktop pra sincronizar o documento, fazia o push e finalmente o Netlify gerava o conteúdo novo.

Também não era fácil postar pelo smartphone, já que todos os passos acima eram necessários.

Como a intenção é manter o “Keep it simple” na minha vida e isso inclui o meu blog, nada como a boa e velha plataforma já conhecida de todos. De nada adianta a rapidez e toda a nerdice envolvida se no final das contas o que importa é o conteúdo.

Publicado em: Reflexões, Tecnologia

No comecinho da internet no Brasil…

Quem lembra da internet no Brasil no finalzinho dos anos 90?

Vou compartilhar aqui alguns serviços e situações que vivi nesse período:

  • Meu primeiro provedor de internet foi a BRnet (Brasília-DF).
  • A internet era discada, cobrada por pulsos telefônicos + excedentes do provedor de internet. Era uma conta dupla muito cara.
  • Pra escapar dos pulsos telefônicos, eu ficava vários minutos após a meia noite tentando conectar pra cobrar um pulso só. Os provedores gratuitos vieram só depois de um tempo com Super11 e iG.
  • Eu usava o chat da BRnet em BBS.
  • Além dos bate-papos que eram divertidos, comecei a aprender programação pela internet. Aprendi BASIC, Pascal, Visual Basic e Delphi.
  • Usei um aplicativo de videoconferência chamado Internet Phone (IPhone). Não conheço muita gente que lembra dele ;/
  • Criei a minha primeira “home page” no notepad, inserindo os códigos manualmente.
  • Frequentei por inesquecíveis momentos uma rede de IRC chamada BRASnet. Fui @OP de grandes canais como o #Brasil e #Brasilia, e fui IRCop em alguns servidores como Unisys e Dsgx.
  • Eu usava o mIRC pra acessar a BRASnet então aprendi a programar em mIRC Scripting pra criar o meu próprio script com tudo o que era útil pra mim.
  • Fiz muitos amigos na BRASnet.
  • Como ferramentas de busca tínhamos poucas opções. No Brasil era o “Cadê?” e para conteúdo internacional era o “Altavista”. Adicionar sites nessas ferramentas era feito de forma manual.

Depois dos anos 2000 a internet foi se popularizando e mais serviços foram surgindo até se tornar o que é hoje.

Eu gostei tanto da internet do final dos anos 90 que vou relembrar no notepad como foi criar a minha primeira homepage. Lembro de algumas coisas então vou tentar reproduzir ao máximo e depois compartilho aqui! 😅

Publicado em: Tecnologia

Escrevendo com o Neo2 by Alphasmart

Em 2018 comprei no Québec um Neo2 by Alphasmart usado, um processador de texto com teclado e uma tela bem simples.

Não vou detalhar aqui o funcionamento porque é estupidamente simples.

O que mais gosto no Neo2 é o teclado macio, zero distração e uma nostalgia gostosa enquanto digito sem qualquer preocupação. A bateria que coloquei em fevereiro de 2018 até o momento desse post está praticamente cheia. Usei pouco o Neo2 mas quero usar mais a partir de agora.

Não sei se é possível encontrar o Neo2 à venda no Brasil mas se você gosta de escrever, quer um teclado confortável e objetivo, vale a pena ter um!