Luana

Minha adega de vinhos 2021

Publicado em 1 de abril de 2021
Translate: English | Français

Ano passado adquiri uma mini adega da Suggar, modelo Lyon para 13 garrafas. Eu não preciso de mais do que isso porque bebo pouco e posso investir em bons rótulos pra ter uma experiência agradável. Essa adega é pequena mas dá conta do recado: tem compressor e está ligada a um nobreak senoidal pra evitar oscilações e eventuais danos ao motor.

Como estou há um ano com ela, não tenho do que me queixar. É silenciosa e mantém a temperatura selecionada com baixo consumo de energia. Pra quem bebe pouco mas não abre mão de bons vinhos, esta adeguinha está mais do que recomendada. Aproveito pra aconselhar que se você pensa em comprar uma adega climatizada, evite as termoelétricas – elas não mantém a temperatura adequada e queimam facilmente.

Agora vamos ao que interessa, a minha seleção de vinhos pra esse outono/inverno:

  • Domaine Bousquet Malbec Orgânico 2019 – vinho tinto argentino de Tupungato, Vale de Uco, próximo à fronteira chilena e a vinícola atualmente é líder em exportação de vinhos orgânicos. Estou especialmente curiosa pra provar esse exemplar! (Update: provado em 10/4/2021 – Nota: 7)
  • Cobos Felino Malbec 2019 – esse malbec é argentino mas foi feito pelas mãos do enólogo americano Paul Hobbs, um dos mais respeitados do mundo. O que eu mais gosto nos malbecs são os aromas florais, de baunilha e chocolate. Acho que eles combinam muito com uma bela lasanha caseira feita ao modo slow cooking. (Update: provado em 30/4/2021 – Nota: 8,5)
  • Miolo Lote 43 2018 – vinho nacional de uma excelente safra dedicada aos antepassados da família Miolo. Produzido na Serra Gaúcha com as excelentes uvas cabernet sauvignon e merlot, esse me parece ser um dos mais interessantes! Estou curiosa! (Update: provado em 4/4/2021 – Nota: 9,5)
  • Barbaresco DOCG Roversi 2017 – não conheço o barbaresco mas pelo que pesquisei trata-se de um vinho leve e potente em sabores ao mesmo tempo. Gosto de vinhos frutados então sinto que esse italiano vai me surpreender positivamente. (Update: provado em 2/5/2021 – Nota: 8,5)

Tem mais:

  • Châteauneuf-du-Pape Domaine Ferraud 2016 – sou grande fã dos vinhos franceses. Esse leva cortes de Grenache (55%), Mourvèdre (20%), Syrah (15%) e Cinsault (10%). Estou curiosa pra provar os mistérios desse vinho. (Update: provado em 22/4/2021 – Nota: 9,5)
  • Pedra Cancela Seleção do Enólogo 2016 – vinho português com corte das variedades Touriga Nacional, Tinta Roriz e Alfrocheiro. Essa safra foi bem premiada – não que eu me apegue a isso, acho vinhos muito pessoais – mas me parece que aqui temos um exemplar realmente interessante. (Update: provado em 14/4/2021 – Nota: 8)
  • Quinta do Arcossó Padrão dos Povos Orgânico 2013 – vinho feito com uva Tinta Amarela do norte de Portugal que resulta em vinhos bem generosos e escuros. A Quinta de Arcossó é uma propriedade de cultivo orgânico, minimalista e resgatam os antigos métodos de produção. Acho especial o cuidado deles e quero muito provar esse exemplar. (Update: provado em 15/4/2021 – Nota: 8)
  • Bordeaux Marquis Delatre 2017 – e por último mais um francês. Sou suspeita sobre os vinhos de Bordeaux (meus preferidos) então tenho certeza que esse aqui vai me proporcionar bons momentos de degustação! (Update: provado em 10/5/2021 – Nota: 9,5)

Bom, por enquanto são essas unidades que eu adquiri e estou muito satisfeita. Que venha o frio pra eu iniciar as minhas degustações!

Me animei pra escrever esse post já que uma frente fria chegou finalmente à São Paulo e apesar de não estar tão frio, já me animo pra arrumar a casa, cozinhar, trabalhar, escrever…! Agora sim com mais cara de outono! 😀🍂🍁