Publicado em: Reflexões

A importância dos blogs pessoais em 2020

Tenho me questionado ultimamente sobre quanto tempo mais veremos a internet ser resumida a redes sociais e Youtube.

Por mais bizarro que possa parecer, pra muita gente quando se fala em internet no Brasil as primeiras coisas que vêm a cabeça delas é, nessa ordem: Whatsapp, Instagram, Facebook e Youtube. Agora tem a porcaria do Tiktok também, mas vou desconsiderá-lo por presumir que se trata apenas de mais um hype bobo e inútil com vida curta. Para a nossa alegria.

Por muito tempo demos asas a cobras: criamos uma raça demoníaca conhecida como “digital influencer”, apoiamos as chatices das celebridades nos ambientes virtuais (cantores, jogadores de futebol e artistas em geral), alimentamos shippes impossíveis e endeusamos “youtubers”.

Mas felizmente de acordo com o histórico da internet desde a sua popularização, por mais que serviços dessa natureza tenham uma vida longa, uma hora chegam à saturação. E me parece que o retorno ao simples e a busca pela desintoxicação digital se torna comum a todos que não aguentam mais no que a internet foi transformada.

Os blogs pessoais antes da obsessão pela monetização eram fontes de bem estar, uma vez que acompanhávamos o dia a dia e as reflexões de pessoas comuns e usávamos suas dicas e conhecimentos como inspiração para algum quesito importante de nossas vidas. Era saudável e prazeroso ver tanta gente bacana e inteligente escrevendo sobre coisas simples e interessantes.

Mais do que nunca se faz necessário que voltemos a escrever em nossos blogs pessoais, sem grandes pretensões. Vamos resgatar o lado bom da internet e fazer valer o nosso precioso tempo e a nossa vida. E de quebra cortar as asas das cobras também.

Publicado em: Generalidades, Tecnologia

De volta ao WordPress

Hoje finalizei a migração do meu blog para a plataforma WordPress em um novo servidor.

Por um tempo usei um SSG (Static Site Generator) e eu realmente achava muito interessante ter um blog 100% estático rodando no Github + Netlify. Mas como nem tudo são flores… o preço de um site estupidamente rápido e que funcionava inclusive offline (caso você tivesse o cache habilitado no seu navegador) era que a sequência de passos necessários pra fazer uma postagem acabou me desanimando com o tempo.

Era mais ou menos assim: eu escrevia em markdown, gerava o arquivo no Git no meu Mac, usava o Github Desktop pra sincronizar o documento, fazia o push e finalmente o Netlify gerava o conteúdo novo.

Também não era fácil postar pelo smartphone, já que todos os passos acima eram necessários.

Como a intenção é manter o “Keep it simple” na minha vida e isso inclui o meu blog, nada como a boa e velha plataforma já conhecida de todos. De nada adianta a rapidez e toda a nerdice envolvida se no final das contas o que importa é o conteúdo.